site stats


Banco de Poesia          Email             Portal          Motor de Busca         Newsletter       Livro de Visitas        Homepage       Feed

poesia
 
cronicas
 
contos
 
cultura
 
educação
 
agenda cultural
 
humor
 
ambiente
 
solidariedade
 
assuntos europeus
 
ciência e tecnologia
 
biografias
 
Colunas/ Empresas



LINKS NO PORTAL



























































Colaboradores do Jornal Raizonline


Para ver maior carregue aqui


 Daniel Teixeira - Director Interino

Kácia Pontes - Secretariado da Direcção



Alexandra Figueiredo - Relações Públicas



Arlete Deretti Fernandes - Educação e Cultura



João P. C. Furtado - Consultor Africa. 

Free counters!

Para ver a distribuição Mundial dos nossos leitores carregue aqui s.f.f.



LINKS NO PORTAL

 

 


Colaboradores do Jornal Raizonline


Para ver maior carregue aqui


 Daniel Teixeira - Director Interino

Kácia Pontes - Secretariado da Direcção



Alexandra Figueiredo - Relações Públicas



Arlete Deretti Fernandes - Educação e Cultura



João P. C. Furtado - Consultor Africa. 

Free counters!

Para ver a distribuição Mundial dos nossos leitores carregue aqui s.f.f.



LINKS NO PORTAL

 

 


Poesia de Virgínia Teixeira

 

Narciso bravio ; Nevoeiro

 

 

Narciso bravio

 

Campo imenso de altivos girassóis amarelos viçosos
Prado dourado repleto de flores que gritam alegria
Girassóis que sonham alcançar o Sol, tão ambiciosos!
Flores viçosas que sobrevivem às estações com mestria

Campo imenso de flores arrancadas pela raiz cruelmente
Prado frio e triste de terra quase estéril, seca e salgada
Onde alguém, ainda com fé, planta uma túlipa docemente
“Cresce, flor delicada como cristal”, é a prece murmurada

E o jardineiro senta-se no topo da colina a vislumbrar o prado
E espera que a túlipa vingue no vento gélido que sopra forte
Mas a flor enrosca-se na terra fria e espera satisfeita pela morte

O jardineiro, sentado no topo da colina, desvia o olhar marejado
E vislumbra, num canto esquecido, um narciso bravio a despontar
Vida inesperada num campo triste e frio onde já não vale a pena plantar…

 

Nevoeiro

 

Ela pensa que no nevoeiro denso vai encontrar o que procura
Pensa que nas nuvens gordas de irritação se esconde um abrigo
E que ao mergulhar no nevoeiro cinzento vai encontrar uma cura
Acha que as nuvens escuras a podem esconder de todo o perigo

Ela pensa que no mar calmo de nuvens celestiais vai encontrar o que procura tanto
Não percebe que o nevoeiro, gordo de saudade e revolta, carrega apenas profunda tristeza
Ela não sabe a agrura que cobre de fel as nuvens curiosas, como um angustiado manto
Elas que, curiosas e alvas, desceram do Céu para espreitar, em busca de um mundo de beleza

E se viram aprisionadas à lama do mundo desleal, sujas e manchadas de Humanidade
Mas Ela… Ela não sabe, Ela não ouve os lamentos, não cheira a dor que vagueia pelo ar…
Ela, cega de esperança e desespero, abre os braços sem hesitar, e reza por Liberdade

Ela salta sem temer, porque o peito já não tem lugar para o receio nem quer duvidar
E quando se encontra no ventre do nevoeiro, escuro e fétido, sabe que encontrou
Ali, naquele ventre estéril Ela encontra o Nada que procurava, a paz por que tanto ansiou…

 

COMENTE